O monstro da janela

passe livre

Vi da janela do prédio. Tá, eu sei: jornalista que se preza é o que não perde a chance de tirar a bunda da cadeira e correr até o chão dos fatos. Mas eu estava com minhas filhas, brincando de fazer sombras com velas acesas e luzes apagadas. Além do mais, não tinha nenhum empregador me pagando para fugir de balas de borracha e respirar pimenta. Então, quando ouvi o barulho das bombas, fui para a varanda e fiquei vendo de lá o que rolava nas imediações da Praça Roosevelt. E o que vi foi uma multidão tomando conta da praça e das ruas e gritando sem parar:

“Sem violência! Sem violência!”

Na janela ao lado, apareceu a cabeça de Lívia, a vizinha:

“Um monte de gente indo para rua para pedir transporte público melhor. É lindo isso, gente.”

Dali a pouco, vimos as pessoas correndo. Estouros. O cheiro de gás lacrimogêneo chegando até o sétimo andar. Policiais jogavam bombas em grupos que estavam na rua, e que não estavam fazendo nada além de… estar na rua. Gente na rua. Por que será que isso incomoda tanto?

Ao meu lado, Vitória vibrava pelos manifestantes e xingava os policiais. Ela é skatista e faz seus ollies na praça Roosevelt, então já aprendeu que a violência do Estado volta e meia é usada para perseguir uns crimes esquisitos. Como andar de skate. Ou estar na rua. Ou portar vinagre, como a gente ficaria sabendo depois.

Abraçada a minhas pernas, vendo tudo com seus olhões azuis, Ohana fez uma pergunta:

“Por que a polícia joga bomba nas pessoas?”

Pergunta difícil. Pergunta essencial. Daquelas que meninas de sete anos gostam de fazer. E que os adultos, ah, esses adultos cheios de pose, não sabem responder.

Se eu fosse editorialista da Folha ou do Estadão, poderia responder que a polícia precisava agir com o máximo de rigor para conter os manifestantes do Passe Livre, todos baderneiros que gostavam de quebrar coisas. Mas ela estava vendo as pessoas apanhando na rua depois de gritar “sem violência, sem violência”. Não ia colar.

Podia dizer que a polícia estava garantindo o direito de ir e vir dos cidadãos. Que os manifestantes faziam uma coisa muito feia, que era parar o trânsito de São Paulo, impedindo os papais de chegarem em casa para ver suas filhas. Como a Ohana não sabe que o maior índice de lentidão da semana ocorreu no Dia dos Namorados, quando não houve protestos, talvez ela se convencesse. Talvez.

Eu poderia contar algumas das coisas que sei sobre a ação policial. Que grupos militarizados atuando no policiamento de rua são uma exceção na democracia, e que um conselho da ONU já pediu ao Brasil a desmilitarização de sua polícia. Que a lógica militar não é a de combater ações criminosas, mas a de enfrentar grupos inimigos. Por isso, quando acuados pelo crime organizado, como ocorreu em maio de 2006 e no ano passado, os policiais respondem com matanças aleatórias na periferia. Podia contar que a violência que nos pegava de surpresa ali, embaixo da nossa janela, era a realidade de todos os dias além da ponte João Dias. E que não se tratava de uma polícia descontrolada, era uma política de Estado, parte de uma longa tradição.

Devia explicar que a violência é como um monstro que engana a gente, nos fazendo acreditar que ela pode ser boa quando feita pelas pessoas certas, ou em nome das causas certas. Que esse monstro só vai parar de crescer quando a gente olhar bem para a fuça dele, sem disfarces, e perceber que o monstro é sempre um monstro, venha na forma de manifestantes que espancam um policial, venha na forma de policiais que espalham feridas e balas para esvaziar as ruas.

Essa seria a melhor explicação. Mas não consegui . Achei melhor abraçá-la bem forte e contar essa história outro dia.

About these ads
Post anterior
Deixe um comentário

5 Comentários

  1. Rogerio

     /  14/06/2013

    Muito, muito, muito obrigado Fausto!
    Alem de lindo, o seu depoimento é imparcial… fala a verdade sobre a policia (os bons e os maus), e sobre os manifestantes (os bons e os maus).
    Saude e felicidades!

    Resposta
  2. Everton

     /  15/06/2013

    Sensacional!

    Resposta
  3. Eloide Zim

     /  15/06/2013

    Muito bom o seu texto.
    Nós que moramos longe do tumulto, somos influenciáveis e influenciados pelo que a mídia mostra. E demoraram a mostrar o que a polícia estava fazendo. A princípio parecia que estavam só “contendo” um bando de baderneiros.
    Eu não vi toda esta eficiência, quando criminosos resolveram incendiar ônibus(inclusive aqui em SC para protestar contra a polícia, e o sistema prisional.

    Resposta
  1. Forbidden News » Brazil ‘awakens’ as protests over bus fare increase are met with violence
  2. Brazil ‘awakens’ as protests over bus fare increase are met with violence

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.052 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: