Sindicato é Pra Lutar


No meu primeiro emprego registrado como jornalista, e lá se vão 12 anos, aprendi que é normal jornalista trabalhar de graça. Eu costumava passar dez horas por dia na redação da  Tribuna Impressa, em Araraquara, mas o meu contrato previa só cinco horas diárias: as horas a mais eu fazia sem receber um centavo. Quando vim para São Paulo, continuei meu aprendizado. No grupo Folha de S.Paulo, especialmente no Agora SP, descobri que jornalista, além de trabalhar de graça, convive com o estresse desnecessário e o assédio moral como partes integrantes da profissão. Foi o que aprendi, por exemplo, quando tive de ficar duas horas depois do meu horário, após ter trabalhado a madrugada inteira sem receber um centavo de adicional noturno, apenas para ouvir o secretário de redação declarar, por nenhum motivo específico, que meu trabalho era um lixo e eu não merecia o desconto na escola de inglês que a empresa me oferecia tão generosamente. Aprendi o que significa passaralho: significa que empresas jornalísticas, mesmo no azul, podem demitir dezenas de profissionais de uma vez sem que haja qualquer reação. Valia por um curso completo em miséria humano ouvir um colega descarregar o ódio no bar após o trabalho imaginando maneiras de trucidar seus chefes, ver uma outra saindo com olhos vermelhos do banheiro para fechar a próxima matéria e ficar sabendo que outros tomavam antidepressivos tão pesados para seguir com a vida que quase eram barrados nos exames demissionais pós-passaralhos. Aprendi que jornalista pode trabalhar até sem existir. Num caso único de incursão do Ministério Público do Trabalho pelo Folha de S.Paulo, a empresa chegou a esconder os jornalistas do seu site no restaurante para evitar que os fiscais descobrissem que a maioria era tão informal (invisíveis para os registros legais) como os escravos bolivianos das confecções do Brás. Também passei por três assessorias de imprensa e aprendi que jornalista pode pagar para trabalhar, abrindo empresas ou comprando notas fiscais para fingir que está apenas prestando serviços na empresa onde está todos os dias.

Lições poderosas, que continuam a ser ensinadas. Como as faculdades de Jornalismo não dão noções de direito trabalhista e mercado de trabalho, há gerações de recém-formados sendo despejadas no mercado de trabalho que acham normal ser obrigado a virar pessoa jurídica para ser empregado.

São lições que aprendi. Mas também aprendi que cada um tem a força e o poder para decidir quais lições vai aprender com a vida. Que as lições da exploração só continuam a ser ensinadas porque somos fracos. E somos fracos porque somos um, cada um mastigando sozinho sua dose diária de dor e submissão. Hora de ouvir de novo a lição que Chico Buarque logo cedo ensinou para minhas filhas, a lição de que “todos juntos somos fortes, somos flecha e somos arco, somos nós no mesmo barco, não há nada para temer”.

Vários dos abusos que vi acontecer no dia-a-dia das redações poderiam ser evitados se os patrões simplesmente estivessem dispostos a dialogar com os empregados. Mas no jogo de relações brutal que costuma ocorrer no intestino das empresas, é muito comum que quem está por cima só enxerge os de baixo quando eles mostram força — pois é preciso ser forte para ser visto como humano.

Aprendi que a gente precisava mesmo era de um sindicato. Um sindicato que parecia não existir, pois estava ausente das nossas brigas, e estava ausente porque nós todos estávamos ausentes do sindicato. Um círculo de apatia em que cada um parece ter se acomodado em seu canto escuro. Muitos jornalistas vêm o sindicalismo como um trambolho ultrapassado, coisa de velho ou de peão, nada a ver com pessoas modernas e criativas como nós. Esses tiveram um choque, anos atrás, quando souberam da greve dos roteiristas de Hollywood. Como assim, uma ação sindical no coração da indústria criativa mais importante do planeta? Como assim, caras que escrevem se aliando com outros caras que escrevem para lutar pelo que é melhor para todos? Como assim, caras que escrevem conseguindo, por meio de uma ação sindical, impor sua vontade aos estúdios e atrapalhar a produção de Lost, House, 24 Horas? Sindicalismo. É isso aí. Porque sindicalismo nada mais é do que um jeito de estar junto. E é junto que se faz tudo.

A gente precisa de um sindicato novo para ensinar novas lições. E foi por isso que me juntei ao coletivo Chapa 2 – Renovar para Mudar, Sindicato é Pra Lutar, que disputa agora as eleições do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo. Anote: as eleições começam hoje e vão até quinta-feira, dia 29. Podem votar jornalistas sindicalizados há mais de seis meses, que infelizmente são minoria. Poucos fazem parte do sindicato porque a maioria não acredita nele. Isso precisa mudar.

Há pessoas muito boas na Chapa 2. A candidata à presidenta é Bia Barbosa, do vídeo aí em cima: jornalista dura e combativa, militante da democratização da mídia, fundadora do Intervozes, que pode se tornar a primeira mulher eleita presidente do sindicato. Tem o candidato a secretário-geral, Pedro Pomar, um lutador de uma família de lutadores, com quem trabalhei na Revista Adusp: dele, posso dizer que foi um dos melhores editores com quem colaborei. E outros, muitos mais. Acho que é de gente assim que podem vir as novas lições, não de um grupo que busca eleger pela terceira vez o mesmo presidente.

Já participei da mesma chapa em outras duas eleições, quando fomos derrotados. Na época, meu apoio foi envergonhado: nem cheguei a divulgar no meu antigo blog, que era razoavelmente lido. Era a postura groucho-marxista de não querer fazer parte de um clube que o aceite, mais o medo de vencer as eleições e de repente sair da cômoda posição de pedra para virar vidraça, uma timidez irmã gêmea da arrogância. São posturas que queimei. Estou aprendendo a levar até o fim cada um dos papéis que assumo no dia-a-dia, seja de pai, amigo, profissional, militante. Estar inteiro em cada aspecto da vida — é o que busco. A mais nova lição que escolhi aprender.

Veja quem apoia a Chapa 2

Conheça o programa da Chapa 2

Conheça os locais de votação

Post seguinte
Deixe um comentário

1 comentário

  1. lauro edgard

     /  13/11/2013

    a profissao de jornalista é um lixo total, conforme mesmo disse o consultor do trabalho do fantastico. uma profissao desvalorizada e que paga baixcos salários, e super estressante., recem formados se acham deuses, acham que vão virar reporteres globais e ficar famosos ao aparecerem na tv (rssss) ficam encantados e depois, com a experiencia, caem na real… é a profissao desunida, onde cada um quer ver o seu no final do mes e pronto. jornalista é um bicho vaidoso, que gosta de status, mas o salário no final do mes é uma merda.

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: