Tranquilo e sereno

Jagunço Louro

Todo mundo sabe que os sertanejos são mirrados, raquíticos, enfezados. E a única fotografia de canudense vivo que tem é essa. É um homem enorme, espadaúdo, mais alto que os soldados, e louro de olhos verdes. Euclides chama ele de o Jagunço Louro. Eu compararia esta foto [de Flávio de Barros] com essa foto da Maureen Bisilliat, do encourado, e chamaria a atenção. Esse cara está à morte. Ele vai ser degolado em seguida — e foi mesmo. O Euclides da Cunha, muita gente assistiu esse tal de Jagunço Louro. E ele não está humilhado, não está com medo. Se está com medo, sabe superar o medo e não se percebe que ele esteja aterrorizado porque vai morrer em seguida. E eu o aproximo da serenidade do encourado desta foto. Quer dizer, uma pessoa que está tão habituada a enfrentar durezas na vida — mas durezas mesmo, aquela natureza hostil, agressiva, que quer acabar com qualquer forma de vida — que ele é tranquilo e sereno.

A mestre Walnice Nogueira Galvão falando sobre as fotos do sertão, a natureza dura e a dureza da natureza humana, num belo vídeo do Instituto Moreira Salles. Algumas dessas imagens estão em exposição no Museu Afro Brasil, lá no Ibirapuera.